Sexta-feira, 8 de Junho de 2007

A respeito de séries



Faz um tempo que não falo aqui de séries. O tempo também não tem abonado para as ver. Hoje é dia de previously on. Esta semana terminei três temporadas de três séries diferentes. Estavam elas ansiosas que eu as visse e assim foi.

Comecemos por aquela que eu já me preparava para deserdar mas que, num toque de mágica e mesmo no último episódio me deixou a salivar por mais: Lost. Pois é, caros amigos, voltaram a conseguir prender-me com um final, de certa forma, surpreendente e que, mesmo não me deixando muito apaixonada pelos personagens, me deixou agarrada ao enredo.

Vamos seguir para The Office. Tudo em grande, sempre em grande. Andy Bernard cada vez mais a sobressair, Michael Scott sempre no registo genial e o par Pam e Jim a satisfazerem os impacientes.

Para terminar, a nota de ouro, o número um, a rainha das séries de 2007: Heroes. Aquilo é genuinamente bom!

Claro que, como todas as outras tem a capacidade de nos servir twists bem engendrados e deixar pontas soltas de forma a deixar o mais desligado viciado. Mas Heroes é muito mais do que isso. O simples facto de não haver um personagem que não caiba no espectro de "bom a fabuloso" é motivo suficiente para não largarmos o ecrã. Por outro lado, bastaria o conceito de misto entre super-heróis, X-men e estereótipos da nossa sociedade para me convencer. Tudo junto faz algo obrigatório.

Fico a roer as unhas até que recomecem. Prometo voltar a segui-las com afinco.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 19:39
link | comentar | ver comentários (2)
Domingo, 27 de Maio de 2007

Uma espreitadela na Guerra das Estrelas em versão animada

Depois da comemoração dos 30 anos da saga, foi revelado o primeiro trailer para a série de animação Star Wars: The Clone Wars.

Podem vê-lo aqui.

Já que estamos numa de animação e de Guerra das Estrelas, aproveito para referir que o primeiro episódio da quinta temporada de Family Guy (a estrear em Setembro) vai ser uma recriação do Episódio IV da obra de George Lucas.  Vão ser os habituais personagens de Family Guy a assumir os papéis de Luke Skywalker, Leia, R2D2 e C-3PO. O resultado só pode ser delicioso.

Ultimamente tenho insistido em Cannes e na Guerra das Estrelas, prometo que o flagelo vai terminar...
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 21:09
link | comentar
Segunda-feira, 7 de Maio de 2007

Lost com data final marcada

lost_ben.jpg

A ABC acordou com os produtores de Lost uma data para o último episódio da série. O dia deverá ter lugar em 2010, o que deixa aos espectadores mais três temporadas de ilha, perdidos e enigmas indecifráveis.

Também contemplado neste acordo está o número exacto de episódios que serão transmitidos nestas restantes três fornadas. Teremos, então, ainda pela frente 48 horas divididas em 16 episódios por temporada, cada uma mais curta do que as duas já transmitidas e do que a que actualmente está no ar.

Os responsáveis pela série elogiam o canal por esta medida já que reivindicam a necessidade por parte do público de saber quando vai ver a história terminada. Ao contrário de séries como CSI ou ER, Lost é um fio contínuo com pontas soltas a serem descobertas à medida que vamos avançando e, por isso, terá obrigatoriamente de terminar com uma resolução (ou pelo menos espero que assim seja).

Louvo esta atitude mas, no entanto, fico a pensar se três temporadas não serão um excesso. Se nesta terceira já se sente, em alguns capítulos, a falta de ideias para dar a volta ao enredo, como será daqui a 3 anos e 40 e tantos episódios?
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 12:32
link | comentar | ver comentários (4)
Quarta-feira, 25 de Abril de 2007

Masi Oka: Digam lá que não parece um boneco de carne e osso

hero-masioka.jpg

Ele é o japonês que quebrou as barreiras do espaço e do tempo em Heroes. Vivia uma existência totalmente standardizada no Japão mas agora acredita que o seu destino é parte de algo maior. A sua personagem disse a frase que todos decoraram: "Save the cheerleader, save the world".

Masi Oka é Hiro Nakamura, o actor cuja aparência parece ter sido desenhada especificamente para uma BD ou para uma série anime. Mas não, é de carne e osso.

Andava no meu zapping electrónico diário sobre cinema e afins quando passei por um artigo sobre este senhor no site da CNN. Não é o texto mais interessante de sempre mas faz a vénia a quem julgo que a merece.

Oka nunca conseguiu papéis de relevo e foi passando despercebido na comédia em coisas como Reba, Reno 911 e Scrubs. O actor explica que muitas das dificuldades para conseguir "O" trabalho tiveram por base o facto de os americanos terem uma visão muito quadrada dos asiáticos. Era difícil encontrar um guião que se adaptasse à sua figura e à sua experiência na comédia.

Um dia, o piloto de Heroes caiu-lhe no colo e tudo encaixava na perfeição. Procuravam alguém que falasse japonês fluentemente, que tivesse experiência na televisão americana e que tivesse passado, em algum momento, pelos lados do humor.

Foi assim que nasceu Hiro Nakamura. Não quero tornar-me aborrecida nos elogios a Heroes (que já aqui fiz vezes suficientes) mas o personagem de jeito acriançado e ingénuo com o poder para mudar o mundo e, esperemos, salvar a cheerleader é, sem dúvida, aquele que mais me dá gozo seguir.

Espero que, depois da série, se consiga deslocar do papel e partir para outras andanças. Fiquem com este excerto.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=sMFUsXByRhs]
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 12:16
link | comentar | ver comentários (1)
Domingo, 15 de Abril de 2007

Os mistérios de Hugh Laurie ao piano

Provavelmente já todos viram o que está mais abaixo neste post mas hoje estive a rever este vídeo e não resisti a trazê-lo para os arquivos do Elite.

Hugh Laurie é um humorista e actor talentoso, um britânico espirituoso que se americanizou no ecrã na pele do cáustico e politicamente incorrecto Dr. House.

É fascinante ver que ele podia fazer quase tudo o que está ligado às artes, que é tão multifacetado que quase parece um prodígio. Junto ao piano, fica concentrado, deixa que as mãos nos deixem de queixo caído enquanto nos mostra a perícia com que trata as teclas. Sempre, claro, com uma pitada de humor à mistura.

Este excerto é parte de uma sessão de Inside the Actors' Studio. Para ver, acompanhando as rimas tolas.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=e0SXH5Y9PEc]
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 17:20
link | comentar
Sábado, 14 de Abril de 2007

Um merecido “Viva!”

heroes_keyart.jpg

A TVI estreou esta tarde Heroes. Reparem como nesta pequena frase consegui descrever dois acontecimentos dignos de notícia.

Primeiro, porque chega ao nosso Portugal e em canal aberto uma das séries do ano, tão inspirada quanto viciante, que segue as peripécias e os problemas existenciais de algumas pessoas que, a pouco e pouco, se vão apercebendo de que são especiais. Porquê? Porque têm super-poderes, dons ou, se quiserem, características especiais que lhes chegam a trazer chatices.

É tudo muito bem equilibrado, de forma a nos levar a acreditar piamente em toda a envolvente de aspecto BD e os personagens são deliciosos contendo, também, em si mesmos, uma crítica social muito curiosa.

Por isto, um grande iupiiiiiiiii!

Relembremos uma fracção da frase: "a TVI estreou esta tarde". Não sei se a série vai continuar a ser transmitida neste horário mas, esta é a prova de que a TVI percebeu que tinha de concorrer com os outros canais generalistas e que, passando a sua brilhante aquisição às 2h da manhã, provavelmente não faria muitos estragos.
Por isto, um grande e alto viva!
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 17:32
link | comentar | ver comentários (2)
Domingo, 25 de Março de 2007

Lost de volta à RTP

sea3promonu2.jpg

Estreou esta tarde na estação de serviço público a terceira temporada de Lost. A FOX já o tinha feito e agora cá está, pronto quem quiser ver, em canal aberto.

Tenho acompanhado esta terceira temporada ao ritmo dos EUA sendo que falhei os dois últimos episódios (neste caso, o 12º e 13º) porque ainda não tive oportunidade de os ver.

Acho que o aquecimento é fraquinho, tendo em conta as anteriores temporadas. Gostei do primeiro episódio e adorei o oitavo, Flashes before your eyes, que embarca numa viagem surrealista à mente e corpo de Desmond, mas fora os mencionados, achei-os muito pouco inspirados e até presos.

No entanto, estes últimos episódios têm voltado ao original espírito de Lost. Parecem ter voltado aos tempos de aprofundamento do passado dos personagens, de ligações bem engendradas, twists bem sacados e têm dado novos passos na ilha, à descoberta de coisas novas.

Embora Heroes tenha estado a roubar parte do carinho que tinha canalizado para Lost, continuo fiel e estou muito empolgada com estes últimos desenvolvimentos nesta terceira temporada. Vamos ver o que se vai desenhar.

Para mim, isto também é bom serviço público.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 19:30
link | comentar
Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2007

Lost a descer

060807_9.jpg

A terceira temporada de Lost tem-se revelado pouco eficaz no que diz respeito às audiências. Claro que o fenómeno não acontece apenas porque sim.

A verdade é que, embora com um ou dois episódios em que a trama realmente avança e em que há flashbacks interessantes, esta terceira ronda parece querer arrastar o argumento a um passo tão lento que o público não tolera. Será que os argumentistas sofrem de writer's block? Ou será que o intuito é mesmo fazer render o peixe?

Recorde-se que Lost interrompeu as emissões semanais no sexto episódio da terceira temporada para voltar na semana passada. Com tanto tempo de paragem, seria de esperar que o sétimo episódio fosse algo de surpreendente que não nos deixasse partir para outros valores mais altos que se levantam por aí. Mas não. Pouco ou nada avançámos. Não houve momentos de cortar a respiração. Nada.

Voltemos à primeira temporada de caracterização psicológica memorável e à acção incessante e bem construída da segunda, senhores!
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 10:32
link | comentar | ver comentários (4)

Agora que arranjei um bocadinho para o ver, opino sobre Studio 60

studio-60-splashpage.jpg

Já ouvia zumbidos sobre o brilhantismo desta série mas, só ontem, vi o piloto (e ainda não vi mais). Reduzo esta minha opinião àquilo que conheço que é precisamente o primeiro episódio.

Fui agradavelmente surpreendida por um argumento que, rodeando a comédia, não faz das piadas o seu fio condutor. A verdade é que me parece que a história mete mentes desgastadas, mundos bem tramados e, como dizer isto de uma forma delicada, raciocínios menos honestos em prol do bem-estar económico. É sobre uma série de comédia, não é, em si, apenas uma série de comédia.

Mais do que isso, está extraordinariamente bem filmada. Os planos contínuos e intermináveis a fazer lembrar as entradas, corridas e salvações em ER fazem de Studio 60 on the Sunset Strip um regalo para os olhos mais atentos.

Vou continuar a experimentar para ver se o nível continua no mesmo patamar. Diz-se por aí que sim.

Agora, algo me diz que não é tão destruidora de lares quanto o Heroes. É que essa, meus amigos, anda a dar cabo do meu sono de beleza. Quando me despacho para ver um episódio geralmente já não vai para cedo e, consequentemente, as horas com apoio na almofada diminuem.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 01:13
link | comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 7 de Fevereiro de 2007

Hoje, dia 7, regressa Lost

A ABC tem andado a preparar o terreno para que o regresso de Lost mantenha os fiéis presos à série. Os habituais teasers deixam quem acompanhou o início da terceira temporada de respiração acelerada e a desejar que chegue o próximo episódio. É hoje esse famigerado acontecimento. Começa à noite, nos EUA, e depois prossegue pelos caminhos tortuosos habituais a que já se acostumaram os que não aceitam os digníssimos horários da televisão portuguesa nem conseguem esperar pelo lançamento do DVD.

Espero que Lost continue a descortinar os personagens, que volte à profundidade que lhes dava na primeira temporada mas que mantenha o ritmo frenético que adquiriu depois disso. Eu vou continuar, de certeza, a acompanhar os desígnios dos perdidos.

Deixo-vos o teaser para o episódio 7, Not in Portland, mas aconselho quem ainda não atacou esta terceira ronda de Lost a não o ver. Tem aquilo que se pode traduzir para português correctíssimo como "estragadeiras" (spoilers). Termino com esta piada má.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=x1WVjxKHRFM]
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 10:26
link | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2007

Mais uma caixa de 24 despachada

153034910_6ae7081ad4_o.jpg

E foi. Terminei a quinta temporada do vício aterrador que é 24. Não tinha ficado nada convencida com a última. Achei que fugia à linha que, mesmo seguindo visão heróica, tornava 24 num thriller de cortar à faca em que a regra máxima é que...não há regras. Misturava ataques terroristas em demasia e tinha uma personagem que me mexia com o âmago: Audrey Raines. Aquela dependência de mulher needy aborrecia-me.

Acontece que nesta temporada, a mulher está uma personagem bem mais interessante, Jack Bauer está mais vingativo, desconfiado e decidido do que nunca. Está no estilo que me convence mais: o de "eu estou-me bem a borrifar para quem tenho de matar no caminho e, além disso, quero vingança". Depois, fantástico Presidente (o personagem mais irritante de 24), notável Primeira Dama (depressiva e bipolar mas, ainda assim, decisiva) e, como não poderia deixar de ser, impecável trabalho de realização e montagem.

O argumento é coerente, muito bem interligado, sem cortes no fio condutor e não é levado a extremos (dentro do extremo que já é 24, claro). O melhor: não deixa algumas pontas soltas que foram deixadas noutras ocasiões. Vale tudo, meus amigos!

Agora, como é óbvio, estou a roer as unhas para começar a sexta. Primeiro vou acabar os episódios que me restam do Heroes.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 21:44
link | comentar | ver comentários (2)
Sexta-feira, 2 de Fevereiro de 2007

A precisar de cama mas não sem antes ver um 24

kiefer_5.JPG

Foi um dia jeitoso. De manhã, as tarefas soltas concretizadas no fiel computador e arredores; à tarde um pulo demorado até Santarém e à infografia e, para terminar, três horinhas no estúdio de televisão da UAL para a primeira das sessões de um quase workshop (acho que lhe posso chamar assim) com entrada limitada.

Eis que chego a casa e a cama chama por mim. O corpo quer mas o leitor de DVDs com a caixa de 24 empilhada olha para mim como quem diz: "vê só um".

Pronto, lá vou eu. Engrenei no ciclo vicioso novamente. O Jack Bauer espera-me para pôr o relógio a contar. Quando terminar esta temporada deixo aqui o juízo final. Até agora, estou totalmente convencida. Como, de resto, com mais ou menos afinidade, fico sempre.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 00:52
link | comentar

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 83 seguidores

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Extras: Atrasada mas em r...

Beverly Hills de novo?!

Pushing Daisies: Amélie P...

Um olhar global sobre sér...

24 com Gervais

Maratona Jack Bauer

O primeiro de Heroes

De volta para descortinar...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags