Segunda-feira, 12 de Fevereiro de 2007

Viver e morrer em Hollywood

Ontem, no meio do dia bem recheado que tive, consegui dar uma escapadinha das histórias do referendo para ir ao cinema ver Hollywoodland.

Hollywoodland conta a história de George Reeves, um actor mediano que nunca conseguiu mais do que ser o Super-Homem na série da décadas de 50/60. Detestava o papel e queria ser realizador mas o que o ficou para contar foi o seu caso com uma senhora casada (por sinal, com um homem de peso) e a sua morte mal contada.

Eu sou uma céptica em relação a Ben Affleck e às suas prestações em filmes como Daredevil, Armaggedon, Pearl Harbour,... É melhor parar.

Confesso que já me tornei, de certa forma, preconceituosa em relação ao senhor e, mesmo tendo a noção de que ele faz um bom George Reeves há, para mim, qualquer coisa nele que soa sempre a falso. Mesmo na pele deste Super-Homem frustrado sinto que ele faz o que lhe pediram mas que o podia ter levado mais além. Está lá o bom mas falta-lhe subir um degrau para o muito bom. Mas o problema pode já ser só meu. Acho que estou demasiado formatada.

De regresso ao filme. O que realmente é bom nesta fita de Allen Coulter (homem responsável por alguns episódios de The Sopranos e Sex and the city) é a história que devia ser a central mas que se torna a paralela. Os trailers colocam no eixo da fita a vida e morte de George Reeves mas aquele que é realmente interessante é o caso do detective Louis Simo (Adrien Brody) e do escangalho pessoal que é a sua vida. O que eu gosto do Adrien Brody e da voz pesada que diz "há aqui tanta experiência mas, ao mesmo tempo tanta mágoa"! Arrebatou-me em O Pianista e continua a dar provas de talento inconfundível.

Resumindo e para não me exceder antes do habitual Acabo de Ver. O melhor deste Hollywoodland é o detective arruinado (as feridas, o passado, a relação com a família e com a profissão) e a prestação de Diane Lane (a personagem mais interessante naquele lugar de corrupção e adultério insistentes).

O que resulta menos bem é a exploração dos possíveis cenários da morte de George Reeves que, no final, se concentram em algo que já se antevia quase desde início. De ressalvar que louvo o facto de essas possibilidades serem criadas pelos olhos de alguém, não são um facto consumado. É o espectador quem terá de escrever a sua própria versão daquela morte em Hollywood.

Logo mais para escutar no Acabo de Ver.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=YqymDSd7oZo]
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 10:27
link do post | comentar

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 84 seguidores

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags