Terça-feira, 22 de Maio de 2007

Mo(n)stra de Animação

Começou ontem o Festival de Animação de Lisboa, a Monstra, e eu estive por lá. Deixo-vos o que escrevi hoje sobre o evento...

"O corpo e o vídeo. A animação russa em retrospectiva. Uma sala cheia. Foram estes os pontos altos da abertura do Festival de Cinema de Animação de Lisboa, o Monstra, ontem à noite, no Teatro Maria Matos. O acontecimento que se define como «um espaço de encontro e convergência do cinema de animação com outros media e com outras artes» abriu as portas para sete dias de exibições.

Às nove da noite, hora marcada para o início das festividades, ainda se fumavam cigarros à porta do Maria Matos e guardava-se lugar na fila para comprar bilhete ou trocar o convite por um bilhete genuíno. No entanto, tudo estava calmo. Nada de pressas para a mostra, ou melhor, para a Monstra.


Quando o auditório reservado para o certame que vai durar até ao próximo dia 27 finalmente se compôs e as luzes se apagaram, foi tempo de juntar o corpo ao vídeo e a voz aos efeitos no espectáculo .txt, um dos muitos que acompanham a exibição de filmes no evento. Durante vinte minutos um corpo dá ao movimento passos livres para seguir ou comandar as projecções visuais com expressões que vão correndo o palco de uma ponta à outra.
Movimentos sincronizados de um bailarino acompanhados pela voz do actor que, atrás de uma secretária fala dos conceitos mais abstractos como «conflito, simbiose e paradigma».



Era o aquecimento para a noite de animação que se avizinhava, no ecrã e fora dele. Os organizadores deram as boas vindas com um sonoro e vocalmente esforçado «a Monstra cresceu» e deram a partida para o que consideram ser «o deslumbramento» da animação.


O propósito da noite foi o de homenagear um dos mais influentes cineastas de animação russos, Fyodor Khitruk, senhor a quem Walt Disney fascinou durante os anos 30 e tendo causado nele o irreprímivel desejo de criar as suas próprias obras. Apesar da vontade, seria apenas em 1962, com 44 anos, que Khitruk se passaria a chamar «autor» de animação. Na retrospectiva ontem exibida, foi possível assistir ao seu primeiro filme, Story of a crime, também o primeiro a correr na tela do teatro na noite de inauguração. Esta curta fita sobre um homem acusado de assassinato marcou o panorama russo dos anos 60 por ultrapassar a censura com o seu aspecto estilizado e a sua temática pouco infantil.



A inscrição «fim» abriu caminho para Man in the frame, talvez o mais contido dos quatro que ontem foram revistos no Monstra. Ainda sobrou tempo para o burlesco Film, film, film que, tal como o nome indica, retrata satiricamente o processo de realização de um filme e para Winnie the Pooh, nos primórdios da adaptação, bem antes do urso amarelo e composto que nos habituámos a ver.


O serão fechou com o espectáculo de dança Les Pastis mas as movimentações no Maria Matos e nos Cinemas King, espaços escolhidos para acolher o festival, prometem continuar até ao próximo Domingo."

Aproveito para dizer que não me esqueci do Acabo de Ver, só não tive acesso aos recursos técnicos necessários ontem à noite. Peço-vos desculpas e prometo a actualização mais logo.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 14:22
link do post | comentar

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 86 seguidores

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags