Segunda-feira, 9 de Março de 2009

Watchmen: Inventem-se novos heróis

 

Imaginemos que a maior parte dos espectadores que já foram ou irão ver Watchmen - Os Guardiões sabem ao que vão. Que sabem que este não é um vulgar filme de super-heróis (é a antítese disso), que é adaptado de uma B.D. muito (MUITO) celebrada assinada por Alan Moore e Dave Gibbons e realizado pelo visionário do digital, Zack Snyder. Meus caros, se fazem parte desse grupo, Watchmen é o filme que querem ver.

 

Já se, por algum acaso, andam a fazer sestinhas permanentes ou não ligam nada a estas coisas do cinema, provavelmente vale a pena perceber do que se trata este fenómeno chamado Watchmen para não levarem uma murraça no estômago durante a longa sessão de duas horas e 43 minutos.

 

Antes de tudo o resto, convém salientar que esta vossa cara amiga não leu a obra que deu origem ao filme. Sabe que se dizia ser inadaptável e um perigo com muitos riscos associados mas não a leu. É por isso que a minha humilde apreciação apenas pode falar-vos de Watchmen enquanto filme. E aí, meus caros, não há nada a temer (também não deverá haver no campo da adaptação mas aí já não me meto).

 

Watchmen - Os Guardiões é basicamente um filme sobre heróis sem super-poderes (à excepção de um) e muito moralmente duvidosos que se propõem a ajudar a salvar o mundo quando, na verdade, já não há qualquer esperança para ele. Nem para eles. O que acontece pelo caminho é um conto sobre ética, moral e a crua natureza humana. Uma história sobre o cinismo e o puro egoísmo e falso moralismo de um passado fictício, num ano de 1985 em que Nixon governava os EUA, num mundo à beira de uma III Guerra Mundial.

 

Ora pelo meio disto, uma cooperativa de heróis pouco ortodoxos tenta fazer o melhor que pode com a percepção que tem...Nada sem polémica.

 

Zack Snyder parece ter sido a escolha ideal para recriar este mundo de maravilhas digitais bem compensadas com uma história compassada, bem articulada e sem as habituais montagens frenéticas presentes no género. O elenco é meio caminho andado para o sucesso da fita com nomes como Patrick Wilson, Jackie Earle Hailey ou Billy Crudup a darem forma da maneira mais ideal aos seus personagens. E, meus amigos, a banda sonora é um mimo e faz um contraponto essencial com toda o universo fantástico que por ali paira.

 

É para ver e pedir mais...

 

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 16:18
link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags

links