Domingo, 18 de Janeiro de 2009

Veneno que afinal não cura

 

Com Rasganço (2001), a jovem cineasta Raquel Freire já tinha demonstrado o seu ponto de vista muito particular sobre o que é fazer cinema mas nada do que ali se viu preparou o espectador para o que estaria para chegar aos cinemas este ano com Veneno Cura.

 

Se é saudável que em Portugal haja cada vez mais realizadores ambiciosos, carregados de motivação e prontos a não vergar a sua visão a interesses que nada têm a ver com a qualidade artística da sua obra, também é um facto que, se esse factor não é usado com conta, peso e medida, o resultado pode ser algo como esta última fita de Raquel Freire. Veneno Cura é um filme para dentro, feito pela cineasta para ela própria, e de costas voltadas para o público. É que, por mais que as boas intenções e as ideias com potencial, possam estar na linha de partida, nada disso interessa se, à chegada, o produto não for mais do que uma afirmação de autor pretensiosa e sem a ambição de, para além disso, ser uma obra cinematográfica com pés e cabeça.

 

Veneno Cura é uma soma de fragmentos em que a autora deixa as suas reflexões sobre o amor, a morte, a perda e a sobrevivência às desgraças da vida. Diz Raquel Freire que fez este filme porque acredita no amor, mas nada em Veneno Cura nos diz que Freire tem alguma réstia de fé no que quer que seja, nem mesmo a fé em que o cinema português interesse ao público.

 

Atraiçoado pelas temáticas mais do que gastas (a prostituição, o suicídio, a tragédia da mãe solteira ou do amor não correspondido), pelos diálogos escritos com recurso aos lugares comuns em que a cineasta parecia não querer cair ou pela condução fragmentada da realizadora que faz com que o filme seja apenas uma soma de partes e não um todo coerente, Veneno Cura é mais uma prova de que o cinema português é feito de extremos. De um lado, os que tentam fazer dele apenas um negócio, do outro os que o querem tornar numa arte para nichos. O mérito reside antes nos que se chegam à frente para propor um meio-termo.

 

 

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 15:42
link do post | comentar
2 comentários:
De Frederico a 18 de Janeiro de 2009 às 19:28
eu faço parte do público e gostei... portanto não concordo que o filme esteja de costas voltadas para o público.
não acho que as temáticas estejam assim tão gastas. se assim se insistir qualquer dia só aparecem filmes sobre senhores que envelhecem ao contrário de todos os outros. ehehe
E pretensiosismo por pretensiosismo prefiro este ao do "fome".
beijinhos :)
De JBM a 19 de Janeiro de 2009 às 12:44
Ora aqui está a habitual xaropada a que o cinema português introspectivo (se é que existe tal coisa) já nos habituou.

Pelo menos as intenções eram boas. :)

Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags

links