Domingo, 28 de Dezembro de 2008

Austrália: Os clássicos voltaram nas antípodas

Sim, Baz Luhrmann é um romântico incurável. E, sim, as suas incursões ultra-fantasiosas são um risco desmesurado perigosamente à beira de passar a barreira do credível. Mas, se o cinema já perdeu a vontade de ser um escape, uma passagem para o lado de lá, onde tudo é larger than life, então pode ter perdido parte da sua essência. Lurhmann volta à carga com Austrália e consegue a proeza de levar ao grande ecrã, nestes tempos de algum desencanto, imagens com o deslumbramento que só um grande clássico pode afirmar ter. É um risco, sim, mas se alguém o pode correr é Baz Luhrmann.

 

Depois de Romeu e Julieta, em que trouxe Shakespeare para os dias de hoje sem lhe matar a orige,  e de Moulin Rouge, um musical de cores e festim de excentricidades construído com pinças, Baz Luhrmann quis aumentar o turismo na sua terra natal e fazer um épico avassalador down under, extraordinariamente romântico e com imagens dignas de um cinema clássico que quase parece já ter desaparecido.

 

O elenco é maioritariamente constituído por australianos, a rodagem foi totalmente feita por aquelas bandas, e a acção desenrola-se com o contexto australiano como pano de fundo. Mas Austrália podia ter-se passado noutro local porque o espírito de épico estaria lá a sair por todos os poros. É uma espécie de salada feita a meias entre África Minha e E Tudo o Vento Levou com O Feiticeiro de Oz a servir de tempero que está destinada a destinar-se intemporal.

 

Lady Sarah Ashley (Nicole Kidman) é uma aristocrata inglesa que parte rumo à Austrália e se vê obrigada a tomar conta do negócio de gado estabelecido pelo marido. Como missão tem a tarefa de fazer uma manada de gado atravessar as mais diversas intempéries e para isso terá de contar com uma mãozinha (e com o suor do corpo) de um condutor de gado, The Drover (Hugh Jackman).

Podia dizer-se que, à partida, esta seria a sinopse de Austrália mas, na verdade, as histórias dentro da história seriam suficientes para desdobrar o filme em mais fitas. Há a viagem que desemboca na aventura amorosa entre os dois protagonistas, aflora-se a questão das crianças aborígenes retiradas do seu meio, com o filho adoptivo de Sarah Ashley, Nullah (Brandon Walters) a dar-lhe forma, e ainda está presente o contexto histórico de uma II Guerra Mundial a intrometer-se onde não deve.

 

Tudo isto acompanhado de uma série de referências às imagens de filmes que ficaram na memória de todos e da estética tão própria de Luhrmann, que só ele poderia assinar, com panos de fundo grandiosos, enquadramentos de GRANDE  cinema e imagens tão extravagantes quanto apetecíveis.

 

Austrália nunca poderia ser tão excêntrico ou desmesurado quanto Romeu e Julieta ou Moulin Rouge porque a própria narrativa não é tão dada a isso. Mas ainda que este seja um Baz Luhrmann um pouco mais refreado, o realizador transforma a fita num daqueles exemplos que, na sala de cinema, têm o condão de fazer o espectador sentir-se arrebatado, de volta ao esplendor que julgava já ter perdido há muito. Isto, é claro, se se for assistir a Austrália de coração aberto e sem preconceitos contra hipérboles visuais.

 

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 20:09
link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags

links