Quinta-feira, 28 de Agosto de 2008

Aviso Prévio

Evitem lá isto, se fazem favor!

 

Parece haver uma enorme dificuldade por aí em distinguir acção da boa de montagem frenética sem tempo para perceber o que estamos a ver. Agora sim, as notas sobre Babylon A.D.

 

Diz quem sabe que o tempo mínimo para se perceber claramente uma imagem é de três segundos. Na acção supostamente frenética de Babylon A.D. Mathiew Kassovitz quis quebrar a regra e arriscou-se a provocar cegueira nos espectadores. O filme é uma visão catastrófica do futuro cujo destino está nas mãos de um herói às três pancadas com a missão de proteger uma salvadora embevecida com os seus abdominais. Parece que o mundo está mesmo para acabar.

Ficção científica com muita acção pelo meio e uma premissa cujo potencial foi desperdiçado. Thoorop (Vin Diesel), um mercenário a soldo, é contratado por Gorsky (um Gérard Depardieu de cara deformada) para escoltar a jovem e misteriosa Aurora (Mélanie Thierry) para fora da Rússia e até aos Estados Unidos. A acompanhar a rapariga está a freira Rebeka (Michelle Yeoh, que geralmente consegue sempre trazer algo de positivo ao mais fraco dos filmes), uma protectora que se recusa a revelar qualquer pormenor sobre Aurora. Acontece que a jovem de rosto inocente tem mais que se lhe diga e representa para a humanidade bem mais do que uma cara bonita.

O potencial deste que até poderia tornar-se num interessante filme-catástrofe a explorar os abusos do Homem é atirado para uma espiral de acção sem alma nem coração, de montagem à velocidade de um carro de Fórmula 1 e com algumas cenas disparatas que não lhe acrescentam qualquer ponto. Vin Diesel falha redondamente o papel de herói salvador e nem a sempre fantástica Michelle Yeoh consegue salvar a desgraça anunciada.

Quanto ao realizador Mathew Kassovitz, com títulos interessantes na sua carreira como O Ódio e Assassino(s) mas que, nos últimos tempos, não tem tido a melhor das sortes (Gothika é um dos maus exemplos), volta a não conseguir um resultado mais do que sofrível. O cineasta e actor já confessou em entrevista que a produção da fita correu com demasiados problemas e que o produto está muito distante daquele que tinha idealizado. Acreditamos que está mesmo e preferimos lembrar-nos do realizador na sua face de actor em O Fabuloso Destino de Amélie.

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 18:04
link do post | comentar

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 86 seguidores

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags