Quinta-feira, 21 de Agosto de 2008

É do Inferno!

Não é só um dos filmes do Verão é bem capaz de ser um dos mais jeitosos do ano (pelo menos até agora). Hellboy II: O Exército Dourado é, sem dúvida, a estreia da semana e merece pompa e circunstância aqui no Elite.

 

É por isso que, para além do habitual artigo publicado no sítio do costume que aqui deixo sempre, vamos ter também neste post dedicado a Red e amigos, um vídeo com uma das melhores cenas do filme. Hilariante, profunda, redentora. Ora leiam e depois vejam.

 

Um filho do Diabo com chifres vermelhos, uma criatura anfíbia com olhos alienígenas e uma aparente frágil rapariga com dotes incendiários. As personagens podiam bem pertencer à equipa dos maus da fita mas em Hellboy II: O Exército Dourado estão de regresso para voltar a provar que são antes heróis improváveis, incompreendidos, de costas voltadas para o mundo, mas muito, muito, úteis. Guillermo Del Toro volta a fazer um bolo em camadas, com muito de adaptação hollywoodesca de uma BD e de um imaginário, à espreita a cada esquina, digno do mais célebre conto de fadas. Se todos os demónios fossem assim, bem que podíamos gostar de estar no Inferno.

É sempre uma tarefa complicada dar a atenção devida a todas as personagens num filme que tem a obrigação de as apresentar. Hellboy (2004) era um óptimo cartão de visita que dava a conhecer no cinema a história de Red (Ron Pearlman), um demónio de aparência infernal criado por Nazis durante a Segunda Guerra Mundial que acabaria por se virar para o lado iluminado dos Aliados e viria a servir a causa do bem. No entanto, a fita deixava o espectador com água na boca. Com vontade de mais.

Para preencher o vazio chega agora este Hellboy II: O Exército Dourado, com mais de Red e companhia, com mais para além de nos deslumbrar através dos poderes das criaturas paranormais e com muito mais do que cenas heróicas em que seres improvavelmente bons salvam comuns mortais.

O gabinete de pesquisa paranormal que acolhe Red, Abe Sapien (Doug Jones) e Liz (Selma Blair), agora muito mais habituados à sua casa, onde o espectador poderá assistir a cenas divertidíssimas de interacção entre humanos e criaturas, continuam a debater-se diariamente com a não aceitação num mundo que teme aberrações como eles. A equipa ganha ainda um novo membro de sotaque germânico: Johann Krauss (Seth MacFarlane) para colocar rédea curta no habitualmente arruaceiro Red e para se juntar à batalha que se avizinha.

Acontece que um ambicioso príncipe elfo, Nuada (Luke Goss) quer ressuscitar um indestrutível exército dourado para assim obter a supremacia das criaturas ocultas sobre a Humanidade. Com a ajuda de Nuala (Anna Walton), a irmã gémea do príncipe e novo interesse amoroso de Abe Sapien, Red e companhia terão de responder ao desafio e safar o couro à Terra. O mesmo planeta que os teme mas não nega que precisa deles.

O equílibrio que o cada vez mais impressionante realizador Guillermo Del Toro conseguiu com Hellboy II: O Exército Dourado é notável. O filme é um regalo para a vista que consegue conjugar na perfeição as figuras de heróis (não muito super) retirados de uma BD bem como os monstros vindos de um mundo mágico, florestal e muito próximo dos contos de fadas (à semelhança do que vimos em O Labirinto do Fauno).

Para além disso, nenhuma personagem é deixada ao acaso, com os problemas na relação de Red a Liz a ser uma preocupação bem explicada, ao mesmo nível do papel de salvadores que os dois têm, e com Abe a mostrar um lado muito mais humano, falível e frágil.

Este artigo não poderia terminar sem uma referência a uma das cenas simultaneamente mais divertidas e esclarecedoras do filme na qual Red e Abe Sapien falam do quão difícil é entender as mulheres enquanto bebem cervejas como se o amanhã não existisse e cantarolam uma das músicas mais melosas de que nos conseguimos lembrar: I Can’t smile without you de Barry Manilow. Impossível não ficar com a canção na cabeça. Que a descrição deste quente momento de bonding masculino sirva para deixar o leitor com vontade de explorar este inferno, quente mas bondoso.

 

 

 

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 12:50
link do post | comentar
3 comentários:
De mrconguito a 21 de Agosto de 2008 às 14:01
realmente é um dos melhores trabalhos do Guillermo del Toro.
Mas quem não sabe par o que vai é bem capaz de ficar desiludido, pelo menos na anteestreia foi assim.
De Nuno Cargaleiro a 21 de Agosto de 2008 às 21:49
Este é já o próximo da lista a ver!... O mais certo é já neste fim de semana!
De Dreamweaver a 22 de Agosto de 2008 às 20:09
Visualmente extonteante!!!

Comentar post

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 86 seguidores

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags