Quinta-feira, 3 de Julho de 2008

A rendição aos pés do panda

Tinha passado os olhos pelo trailer e nada me dizia para criar enormes expectativas. Nada indicava que Kung Fu Panda fosse algo de muito original e, mais importante, de muito diferente daquilo que a Dreamworks tinha vindo a fazer nos últimos tempos. Mas deixem-me que corrija os vossos pensamentos se, por algum acaso, eles forem semelhantes aos que me passavam pela cabeça antes de ver Kung Fu Panda. Bela surpresa para figurar nos melhores do ano no campo da animação. Não percam o torneio e partam para o combate.

 

Deixo-vos o artigo saído fresquinho do sítio habitual.


O trailer começa. Um panda desajeitado e alguns lutadores de Kung Fu sob a forma de animais vão dando a cara na promoção ao filme que a Dreamworks escolheu para este Verão. Confiantes, a mostrar que, com eles, vem o habitual humor mas também mais uma história sobre uma espécie de sonho americano virado conto em animação. Se o trailer não impressionou o espectador, será a versão final a fazê-lo mudar de ideias. Porque este Verão não é só Wall.e quem levará a medalha no torneio de artes marciais da animação. Este panda também tem que se lhe diga.

É certo e sabido que ninguém como a Pixar dá vida a objectos inanimados ou criaturas que não costumam ter grande personalidade. É verdade que ninguém fabrica clássicos da animação com a velocidade e a qualidade que aqueles senhores o fazem. Mas também é um facto que a Dreamworks não se resume à saga Shrek (mais do que esgotada com a terceira experiência) nem a histórias cuja sobrevivência se deve a uma muito presente crítica aos objectos da cultura popular em voga pela altura do lançamento dos filmes.

Com a fita que esta semana chega às nossas salas, a principal concorrente dos estúdios de onde saíram Toy Story, Finding Nemo ou o aguardado Wall.e, deixa a certeza de que consegue, facilmente, sair dos seus padrões habituais e oferecer um filme que, certamente, terá reserva marcada, lá para a altura dos Óscares, nas nomeações para melhor filme de animação.

O Panda do Kung Fu prova que as narrativas menos mirabolantes e mais apegadas a um personagem com sentimentos são muito mais eficazes do que o épico de animação que repesca referências aqui e ali, acabando muitas vezes por se perder em chamadas de atenção que roubam o protagonismo aos personagens.

E aí vamos nós, seguindo Po (Jack Black), um panda – como todos os pandas, gordalhufo, pesadão e desajeitado – cujo sonho é ser um poderoso conhecedor das artes do Kung Fu. O grande fã Po tem nos lutadores mais dotados do vale, os seus ídolos de referência na luta de alto nível e, inesperadamente, vê o seu caminho cruzar o deles. Um herói improvável que se intromete no caminho das estrelas por direito na busca que o mestre Shifu (Dustin Hoffman) leva a cabo para encontrar o Guerreiro do Dragão (uma espécie de sábio-mor da luta cujo destino está contemplado numa profecia que o proclama o salvador dos habitantes do vale).

O Panda do Kung Fu é um filme com uma história comovente de amizade, de perseverança, de risadas sinceras; com personagens duradouras – basta falarmos nas distintas personalidades que têm os cinco melhores lutadores do sítio (a menina tigre, o louva-a-Deus, a serpente, o pássaro e o macaco) – e que, como acréscimo, apresenta um estilo de animação bastante diferente daquele a que estamos habituados na Dreamworks. Não há aqui qualquer ambição de tornar os desenhos realistas e é por isso mesmo que eles são tão bons cartoons, no seu quase irrepreensível mundo animado. Para além disso, há vários registos dentro do filme com momentos bem conseguidos de animação a duas dimensões a afastar-se do habitual caminho a que nos habituou a animação mainstream a sair dos Estados Unidos.

É preciso, claro, não esquecer que o «elenco vocal» ajuda a fazer com que a película suba um patamar. Po é feito à medida de Jack Black assim como a senhora Tigre é ajudada pelo desempenho de Angelina Jolie ou o mestre Shifu será recordado pela voz de Dustin Hoffman

Talvez seja «A Força» a estar com este panda que, por esta altura, podemos arriscar-nos a dizer representar já uma das surpresas do ano no campo da animação. O seu humor feito de pormenores atentos e a sua história a apelar ao acarinhamento dos personagens é um sério candidato ao podium. Sem excessivas doçuras nem ternuras.Com pontapés, meditações e muitas exibições de artes marciais. Kung Fu, trabalho ou talento, a verdade é que esta é longa-metragem está no lado certo da luta.

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 10:59
link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags

links