Quinta-feira, 5 de Junho de 2008

As 4 mais in

Sobre o regresso (ou a passagem da televisão para o cinema) de Sexo e a Cidade, há que dizer que os comentários catastróficos não fazem, na humilde opinião desta que vos escreve, grande sentido. Deixo-vos as notas sobre o filme, directamente do sítio do costume, escritas por uma  assumida fã da série.


Charlotte continua a eterna falsa pudica, Samantha ainda é uma lady na mesa e uma louca na cama, Miranda é agora uma mãe dos subúrbios e Carrie permanece a céptica mais crente no amor que Nova Iorque tem para oferecer. Durante seis anos a televisão assistiu ao teclar de Carrie Bradshaw, a colunista das relações falhadas, dos solteiros disponíveis e dos conselhos para a típica mulher da cidade mais cosmopolita do planeta. Em Sexo e a Cidade acompanhámo-la e às suas outras três damas de honor numa espiral de vestidos, noitadas, sapatos (sinónimo de Manolos) e na busca quase desesperada de um amor que todas queriam mas em que nenhuma parecia confiar. Cinco anos depois, numa sala grande e em versão alargada, estará a cidade na mesma? E o sexo?

Cinco anos passaram desde que vimos Carrie Bradshaw (Sarah Jessica Parker) parecer ter o happy ending que tanto desejava mas o seu vestido branco e dourado com uma gigante flor ao peito ainda é razão suficiente para parar o trânsito. Talvez não crie um engarrafamento mas faz com que as aspirantes a ícone da moda da porta ao lado se virem para trás e cobicem a original.

Ela é a original, a genuína, a única que pode escrever sobre sexo sem parecer vulgar e usar todas as marcas de topo sem parece fútil. E mesmo que a futilidade exista, está lá em dose saudável. Vamos ver Sexo e a Cidade. Estamos à espera de quê? Drama profundo com reflexões filosóficas? Não. Nunca.

A versão cinematográfica não envergonha os anos de vício televisivo que deixaram muitos fãs (provavelmente mais muitas do que muitos) a suspirar de saudades mas serve também para os que julgam que Sexo e a Cidade é apenas um filme porno com actrizes conhecidas. Para os que não sabem ao que vão – ou para os namorados contrariados a acompanhar a metade feminina do casal-, há uma recapitulação logo à cabeça, um momento destinado aos que nunca viram isto mas que vão descobrir, de forma apressada e pouco inspirada, quem são as nossas meninas.

É quando saltamos para o presente, para junto delas, algumas fora da cidade que as uniu, que percebemos que as mudanças desde o último episódio da série foram muitas. Não na personalidade mas nas circunstâncias.

Samantha (Kim Catrall) vive, trabalha e dorme em Hollywood com Smith Jerrod, o actor borracho que a acompanhou nas piores alturas. Charlotte (Kristin Davis) está feliz e casada na cidade de sempre e continua a dividir a agenda entre os seus joggings matinais e a sua filha adoptiva. A casa de Miranda (Cinthia Nixon) continua a ter vista para a ponte de Brooklyn e Carrie está feliz com o seu Mr. Big (Chris Noth), com o relógio a gritar tic tac para que dêem o próximo passo: comprar uma casa…ou será mais?

Sexo e a Cidade não é um filme extraordinário mas, afinal, queríamos mesmo que fosse mais do que é? Que tivesse a profundidade de As Pontes de Madison County? Que fosse algo mais eterno do que Casablanca?

Se a resposta foi não, pode ir em frente e comprar bilhete. Não tem nenhum dos itens mencionados acima mas encontrará o mesmo humor sarcástico e atrevido a que a série nos habituou, a mesma visita guiada pela cidade de Nova Iorque e por todas as marcas de roupa, sapatos e acessórios mais caros (tanto dinheiro em product placement que ali rolou!) e a mesma cumplicidade entre as quatro amigas mais sui generis da história dos grupos femininos.

É um longo episódio (longo de mais, diga-se), fiel à série e em ritmo de bom entretenimento que podia ter carregado mais no acelerador no que diz respeito ao grau de atrevimento no humor e menos nos dramas pessoais de cada uma das protagonistas.

Se, no pequeno ecrã, os conflitos vão sendo resolvidos em compasso lento e muito bem orquestrado, aqui impunha-se a necessidade de criar os problemas, viver os episódios e ultrapassar os obstáculos até chegar ao suposto final feliz, de um só trago. O que é facto é que esta condensação é um dos grandes riscos das adaptações inspiradas na televisão.

Roubando à protagonista uma das suas frases de eleição, «não conseguimos evitar de pensar» nos defeitos de Sexo e a Cidade versão cinema mas rapidamente os esquecemos quando chegamos à conclusão que a cidade não mudou de atitude e de que o sexo ainda compensa.

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 13:03
link do post | comentar

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 86 seguidores

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags