Domingo, 30 de Setembro de 2007

O Elite Criativa nos blogs do SAPO



Foi há mais ou menos um ano que, depois de já ter feito algumas incursões na blogosfera em nome próprio, decidi que queria criar um blog consistente (mais do que aqueles que já tinha tido). Queria tratar o assunto que mais gozo me dava tratar (o cinema) mas queria também deixar um espaço aberto para as ideias que me apetecesse discutir, não deixando o Elite confinado apenas à definição de blog sobre cinema.
Um ano depois, decidi que iria mudar de plataforma (do Wordpress para os blogs do SAPO) e cá estou. Doze meses passados, o balanço é positivo e sinto que atingi os objectivos a que me tinha proposto.
Neste post, transcrevo o último texto que deixei há minutos no antigo Elite Criativa. Espero que aqui seja tão bem acolhido quanto foi lá. Estou segura de que vai ser.

"Como já vos tinha comunicado, o Elite Criativa estava a instalar-se nos blogs do SAPO. A mudança não está completa mas, no que diz respeito às funções primordiais, o blog já pode funcionar lá tão bem quanto aqui.

Durante as vossas visitas vão notar alterações ao visual, nomeadamente, ao nível das cores e do header (que é uma imagem definitivamente provisória).

As tabs com o Acabo de Ver e as sugestões irão fazer parte do novo estaminé mas, nesta altura, ainda se ultimam preparativos para que elas surjam à vista de todos.

Brevemente, e como também já vos tinha dito, vamos ter novidades ao nível dos conteúdos com um programa semanal de cinema, em vídeo, que será publicado no SAPO e depois, como é claro, deixado à vossa disposição no Elite.

Por tudo isto, peço-vos que deixem a casinha wordpressiana e viajem até ao novo endereço. Obrigada a todos os que me seguiram durante esta aventura na blogosfera. Ela avança agora para uma nova fase e espera continuar a contar com a presença dos mesmos seguidores (o vosso feedback é sempre valioso)."

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 17:58
link do post | comentar | ver comentários (6)

Tabelinha

Aqui fica a tabelinha relativa às estreias do mês de Setembro. Votei em branco no realizador do mês porque não me quis aventurar sentindo que não conheço a fundo a obra de Luc Besson. Como não fiquei convencida com os três filmes que vi achei por bem não me pronunciar.


setembro07.jpg

 

Aproveito para colocar aqui as restantes estrelas que tinha enviado ao Knoxville mas que acabaram por não constar da tabela já que os filmes não entraram na lista dos mais vistos pelos restantes colegas de tabela.


Declaro-vos Marido… e Marido **
Os Fantasmas de Goya **
Um Coração Poderoso ***

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 17:14
link do post | comentar

O primeiro de Heroes

nup_107705_0019.jpg

 

Já passou pelos meus gulosos olhos o primeiro episódio da segunda temporada de Heroes.

Gostei. Gostei da progressão nas personagens que estão agora bastante diferentes desde o último momento em que as vimos. Gostei da situação quase independente em que se encontram (um aqui, outro acolá). Gostei de ver que parece estar desenhada uma estratégia para o seguimento deste novo capítulo. Uma estratégia que vai oferecer ainda mais cliffhangers para nos deixar a roer as unhas mas que promete trazer algo mais sumarento do que “mais do mesmo”.

Estarei atenta e aconselho-vos a fazer o mesmo.

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 17:13
link do post | comentar
Sexta-feira, 28 de Setembro de 2007

Coppolla sem argumento

francis_ford_coppola-712008.jpg

Da próxima vez que vos passar pela cabeça a ideia de comprar uma casita em Buenos Aires, pensem duas vezes. Que o diga o realizador Francis Ford Coppola.

Um grupo de malandros entrou na luxuosa mansão argentina do cineaste e, entre outros objectos jeitosos, roubou o computador do senhor.

Acontece que lá guardado estava o argumento para o seu próximo filme, Tetro. Coppola já ofereceu uma recompensa a quem devolver a sua preciosa máquina e o seu valioso trabalho.

Tetro retrata os conflitos entre gerações numa família de artistas italianos imigrantes na Argentina. Será Matt Damon a desempenhar o papel de protagonista.

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 19:25
link do post | comentar | ver comentários (1)

Já a este reino mágico ia dar um saltinho

Stardust é mais do que parece. Os que ficam cépticos perante a ideia de ver um conto de fadas em Robert De Niro é um pirata gay devem dar um salto ao reino de Stormhold. É mais ou menos isto…

Dois veteranos, mais algumas caras conhecidas e um conto de fadas que pretende reavivar a ingenuidade dos mais velhos. São estes os ingredientes para a poção mágica de Stardust. Está longe de ser o remédio perfeito mas acumula uns bons momentos de fantasia com direito a gargalhada. Os responsáveis pelo sucesso parcial: Robert De Niro e Michelle Pfeiffer.

Um muito rústico muro separa dois mundos opostos. De um lado, a típica aldeia medieval com a frágil e mimada donzela, o galã emproado e o desajeitado que quer conquistar a mais popular jovem senhora das redondezas. Tristan (Charlie Cox) promete a Victoria (Sienna Miller) que lhe trará uma estrela caída do céu no prazo de uma semana e em troca, ela assegura que irá casar com ele.

Tal como o seu pai um dia fez, o dito jovem pouco másculo atravessa a fronteira proibida e entra num reino de fantasia, cheio de monarcas fantasmas, bruxas envelhecidas e piratas pouco comuns. Tudo para trazer de volta à sua suposta amada o presente que ela exigiu. Como todos esperariam, a acção acaba por sofrer voltas e reviravoltas, encontros e desencontros que vão elevar a busca de Tristan a uma nova dimensão e a uma impressionante descoberta.

Quanto à estrela que justifica o nome do filme, chega sob a forma de uma muito loura Claire Danes com um sotaque britânico fruto de um enorme esforço. Mas Yvaine tem um problema: a personagem não consegue convencer o espectador sobre qual é a sua personalidade. Tanto viaja por algumas passagens ironicamente airosas como cai no ultra-romantismo.

Stardust é um conto de fadas baseado no livro de Neil Gaman, que dizem ser um Tolkien mais contemporâneo e bem ao jeito de As crónicas de Nárnia, apostando, contudo num caminho mais «adulto».

A ideia é misturar imaginários, entre reinos terrestres e aéreos e entre bons e maus da fita. A mistura nem sempre é a melhor, fazendo com que a história não pareça a mais consistente mas, a salvar a premissa, estão alguns grandes actores fora do seu registo normal. A bruxa mais maléfica de todas as bruxas maléficas, Lamia (Michelle Pfeiffer), entra num notável papel cómico e consegue oferecer uma personagem suficientemente sólida para guiar o filme. A maturidade da actriz parece ter-lhe dado uma maior liberdade para aceitar os papéis que lhe dão gozo fazer.

Mas o melhor de Stardust vem dos céus. De um barco que rasga os céus com um bando de patifes do mais macho que há no reino da pirataria comandados por um capitão que esconde um segredo temível para a sua dura reputação: é gay. De referir é também a pequena participação de Ricky Gervais (criador da série The Office) como um contrabandista de renome e com um registo cómico notável.

Pela cabeça dos mais atentos, decerto já terá passado a ideia de que poderão surgir semelhanças com o pirata mais popular de sempre: Jack Sparrow. No entanto, Robert De Niro, dá ao pirata Shakespeare, a genialidade do seu talento e torna-o no ponto alto de Stardust.

Tudo o resto, gira à volta destas estrelas maiores. Alguma patetice, muito sentimentalismo mas, afinal, é um conto de fadas e não é seu objectivo ser realista, é antes ser mágico.

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 19:22
link do post | comentar

Não faria reserva neste restaurante…

Apesar de já ter percebido que são muitas as opiniões contrárias à minha, aconselho, obviamente de acordo com os padrões do que me parece um bom filme, que evitem Sem reserva. Aqui ficam as notas soltas que andaram esta semana pelo estaminé do costume.


Se Ratatui foi um fantástico conto sobre culinária e sobre os sonhos de um chef, Sem reserva é uma desinspirada - o termo correcto é aborrecida- comédia romântica sobre uma chef com a mania dos detalhes e um cozinheiro pouco preocupado com a organização no espaço de trabalho. O velho conto do regrado que encontra o sem regras volta ao grande ecrã para dois efeitos: entediar e abrir o apetite.

 

Em 2001, o filme alemão Bella Martha contava a história de uma cozinheira demasiado organizada e desligada do resto do mundo que se vê obrigada a tomar conta da sua pequena sobrinha depois da morte da irmã.  

Seis anos depois, Scott Hicks decidiu levar a ideia para Hollywood, contá-la à maneira americana e incluir as devidas estrelas para assegurar a receita de sucesso.  

Catherine Zeta-Jones seria a dita chef. Aaron Eckhart – a tentar o registo da comédia romântica – seria o cozinheiro atrevido e Abigail Breslin, a menina de Uma família à beira de um ataque de nervos, asseguraria a figura infantil da fita. 

Passou a chamar-se No Reservations (Sem reserva) e, em inglês, contou o que se segue. Kate (Zeta-Jones) é quem manda na cozinha do requintado e bem cotado restaurante 22 Bleecker Street. Nada pode falhar nos pratos, no serviço e no toque final assim como nada pode errar na vida aparentemente infalível de Kate. À noite, ao passar a porta do estabelecimento onde trabalha, leva para casa os mesmos métodos, manias e maneirismos.  

Um dia, a sua organizada vida sofre uma drástica alteração inesperada. A sua irmã tem um acidente, deixando a Kate a tutela da pequena Zoe (Breslin). As rotinas ficam viradas do avesso, os horários ficam descontrolados e a racionalidade que Kate usava insistentemente tem de desaparecer. Como se não bastasse, chega à sua cozinha um novo chef de métodos pouco ortodoxos (Eckhart) que, pasmem-se, vai mudar a sua vida para sempre.   

Sem reserva é exactamente aquilo que aparenta ser, mas de uma forma ainda mais linear. O típico argumento romântico que balança entre o sentimentalismo e a cena humorística, sempre sem se atrever e nunca saindo dos padrões daquilo que é socialmente aceitável. Não se arrisca nos diálogos, nem inova nas imagens que se resumem a um vaivém entre a cozinha e o apartamento, os pratos e a comida. 

Acima de tudo, Sem reserva é entediante e não permite ao espectador viver um único momento de surpresa. Desde o primeiro plano, em que se adivinha ao longe quais vão ser as relações e qual vai ser o rumo da narrativa. Ainda mais incómodo é perceber-se percebe-se à distância qual vai ser a frase do livro de «falas-que-se-devem-usar-naqueles-segundos-bonitos-que-antecedem-o-beijo-dos-protagonistas» aplicada na cena em questão. 

Se Ratatui não tivesse a magia, a originalidade e a aura de clássico que a Pixar lhe impôs, o resultado poderia ter sido algo parecido com este Sem reserva.

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 19:20
link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 24 de Setembro de 2007

De volta para descortinar as diferenças



É hoje a estreia da segunda temporada de Heroes nos EUA. Por cá teremos de esperar um bom tempo e depois aturar as horas estapafúrdias a que geralmente se passam séries (ou talvez não).

Por minha parte, não conto esperar nem mais dois dias. Como já aqui o disse, não o faço com filmes mas, no que diz respeito a séries, a minha paciência para esperar é limitada e, por isso, recorro ao maravilhoso mundo dos torrents. O que não invalida que depois traga os originaiso para o meu templo dos DVD's mas para rever, já sem a ansiedade nos picos.

Podem espreitar aqui cinco pequenos clips da nova temporada.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 16:02
link do post | comentar | ver comentários (8)

Bourne no ponto



Não sou uma entusiasta fã da saga Jason Bourne como também não sou uma acérrima (nem nada que se aproxime disso) defensora de Matt Damon.

Não me rendi a The Bourne identity (MUITO longe disso) e não fiquei de joelhos perante The Bourne supremacy, embora lhe reconheça o ar fresco que o talento de Paul Greengrass trouxe ao filme.

Assim sendo, segui para The Bourne Ultimatum sem preconceitos mas também sem superiores expectativas, apesar de alguns burburinhos me andarem a zumbir pareceres positivos.

A verdade é que este Bourne atingiu o ponto que julgo ser o ideial dos envolvidos no projecto e não desilude. A narrativa já não tem muito por onde escapar mas a realização frenética de Greengrass faz o espectador ficar colado ao ecrã e, mais, traz cenas de acção bastante refrescantes de fazer inveja a um James Bond (como aquela em que, durante 20 minutos que parecem muito menores, os protagonistas correm pelos mais tradicionais telhados marroquinos).

Não vamos, com este comentário, embandeirar em arco e comparar Matt Damon a Daniel Craig. Até porque são pontos de partida e estilos muito díspares. Apesar disso, é preciso reconhecer que há, de facto, em algumas cenas de The Bourne Ultimatum, uma clara inspiração no universo de perseguições/momentos de vulnerabilidade bondianos.

Ainda de referir que há algumas reviravoltas interessantes e que conferem a este terceiro filme uma rawness bem jeitosa a colocar Jason Bourne no patamar dos personagens hate them and love them.

Nota de rodapé: Não esquecer de que David Straithairn é um Senhor e trabalha o seu vozeirão de uma forma irrepreensível!

 
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 15:43
link do post | comentar | ver comentários (1)
Sábado, 22 de Setembro de 2007

Brad Pitt no novo de Aronofsky



Uma dupla inesperada mas, sem dúvida, a ter em conta.

Darren Aronofsky, realizador da longa-metragem de autor, Requiem for a Dream e do mais recente The Fountain, prepara agora The Fighter. O filme vai retratar um lutador de boxe irlandês e o caminho fora do comum que teve de percorrer até se tornar campeão.

Mickey Ward, o boxeur, vai ser interpretado por Mark Wahlberg e, é já oficial, Brad Pitt vai assumir o papel do meio irmão do protagonista, também um lutador talentoso que se deixa levar pelo mundo do crime. Pitt poderá recordar o trabalho em Snatch, de Guy Ritchie, onde foi um cigano/mafioso/lutador.

Poderá este ser o filme sobre boxe mais excêntrico de todos?
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 15:05
link do post | comentar | ver comentários (1)

Sean Penn e Into the wild



Sean Penn adquiriu um percurso interessante no mundo do cinema. De actor a realizador, de low-profile e estrela séria. Agora regressa à realização com o seu novo Into the wild, uma adaptação do best-seller de John Krakauer.

A história conta o seguinte: um estudante notável e atleta de respeito sai da Universidade, decide doar o seu dinheiro a obras de caridade e partir de mochila às costas para o Alaska.

No filme, o estudante é Emile Hirsch, a mãe do estudante é a amiga de Penn e extraordinária actriz Marcia Gay Harden e o pai do jovem em busca da revelação existencial é William Hurt.

A juntar ao que vos acabo de contar, está a direcção de Sean Penn que, no mínimo, terá de despertar para esta fita a curiosidade do mais distante cinéfilo.

Cá esperamos. Aqui fica o trailer.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=2LAuzT_x8Ek]
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 14:21
link do post | comentar
Quarta-feira, 19 de Setembro de 2007

A era dos Nouvelle Vague no cinema

Há já algum tempo que estes deliciosos senhores têm presença assídua na minha playlist regular. No entanto, nas últimas duas semanas os Nouvelle Vague ganharam para mim uma dimensão totalmente diferente.

A razão prende-se com o facto de duas das suas magníficas covers terem sido escolhidos para alcatifar dois momentos cruciais de dois filmes em estreia.

O final de A mighty heart não teria sido o mesmo se não tivesse a acompanhá-lo In a manner of speaking, versão da dita banda de uma canção dos Tuxedomoon (com trabalho vocal da simpática e chanfrada Camille).

A cena em que a personagem de Tarantino tenta fazer coisas feias na fita do amigo Robert Rodriguez (em causa está Planet Terror) não seria a mesma se não tivesse a forrá-la Too drunk to fuck, cover dos Nouvelle Vague para uma música dos Dead Kennedys.

P.S.: Embora me tenha rido que nem uma doida, lamento dizer que não fiquei nada convencida com Planet Terror. Está a milhas de Death Proof. Na devida altura falarei em pormenor.

Aqui fica o único vídeo que consegui encontrar com In a manner of speaking.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=PPR2bK3kL5c]

A segunda musiquinha podem ouvir aqui.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 19:22
link do post | comentar | ver comentários (2)

Uma tristeza cinéfila

logo1.gif

Soubémos há uns dias que ia terminar a edição portuguesa da Premiere. Venho expressar o meu profundo lamento pelo final (espero que continuem as aventuras online) da única revista portuguesa da especialidade.

Há algumas rubricas/artigos que nunca me interessaram por aí além, a maioria das quais traduções da versão original, mas tenho de dizer que sempre gostei de ler as críticas. Acima de tudo porque, como já disse várias vezes e aqui reafirmo, sempre me pareceram as mais descontraídas e livres de dogmas. Há muito bom crítico por esse Portugal que, mesmo que não o admita, gosta de viver a sua opinião como uma verdade incontestável. Sintam-se à vontade para me chicotear por este parecer.

Por tudo o que de direito, deixo os meus sinceros parabéns aos colaboradores da revista e o meu profundo pesar pela partida da nossa amiga.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 18:41
link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags

links