Quinta-feira, 3 de Abril de 2008

U2 numa cadeirinha? Prefiro a coisa real

Que fique claro que sou adepta desta recente vaga 3D que por aí anda. Nova oferta é sinónimo de alternativas e, meus amigos, é disso que a malta gosta. Só acho que, de certa forma, naturalmente, ainda se apalpa terreno com receio de que o público rejeite a oferta. U2 3D é uma dessas experiências. Tem mais potencial do que aproveitamento. Assim, como se apresenta, fica a milhas da "real thing".
Abaixo ficam umas notas mais completas.

Foram sete concertos, 100 horas de filmagens e 18 câmaras 3D. No fim, um concerto de rock com lugar sentado, numa sala escura sem espaço para exaltações. O espectáculo é dos U2, em 3D, com óculos que nem sempre favorecem a figura de quem os usa. A tecnologia parece ter vindo para ficar mas serão os concertos o objecto mais adequado para fazer com que os espectadores queiram ter o novo acessório da moda?

É a maior produção digital 3-D filmada ao vivo. O título não pretende enganar. Sim, U2 3D é um filme com direito a exibição nos cinemas. Sim, U2 3D não é um documentário. Sim, U2 3D é apenas um concerto. A banalidade do conceito é, no entanto, interrompida pela nova febre da sétima arte: a versão 3D das coisas.

Entramos para ver Bono e os seus actuar ao vivo, num concerto que, para os mais distraídos, pode parecer único mas que, surge neste formato depois de terem sido filmados espectáculos que passaram por sete cidades.

A banda aceitou o desafio dos irmãos Modell, família de pioneiros da tecnologia 3D digital no desporto, donos do estúdio 3ality e fãs assumidos da banda irlandesa, impondo apenas uma condição: os concertos filmados teriam de ser na América do Sul, o local onde Bono acreditava ter à sua espera o público mais caloroso.

Assim foi. Câmaras analógicas no lixo e 18 câmaras digitais espalhadas em cima, dentro, à volta e atrás do megalómano palco, som surround 5.1 e um mês para filmar tudo o necessário. À recebê-los tinham estádios a rebentar pelas costuras em metrópoles como a Cidade do México, São Paulo, Santiago do Chile e Buenos Aires. A comandar as operações, uma realizadora que sempre acompanhou os telediscos dos U2, Catherine Owens e Mark Pellington, senhor que, por exemplo, dirigiu o documentário sobre os Pearl Jam, Single Vídeo Theory.

A técnica foi peculiar. Num dos concertos filmavam-se apenas planos abertos, outro era dedicado aos close-ups. A certa altura, percebeu-se que havia a necessidade de mostrar a relação entre os membros da banda e invadir o seu próprio espaço para conseguir o efeito. O palco passou a ser cenário para os profissionais da câmara.

Técnica à parte, a set list inclui alguns dos mais emblemáticos temas dos U2, como Sunday Bloody Sunday, um Where the streets have no name que incita a saltar da cadeira de cinema e um Miss Sarajevo sem Pavarotti mas com o público a invadir o ecrã em total estado de hipnose.

No entanto, um concerto editado tem destas coisas. Para os que estiveram na passagem da Vertigo Tour por Alvalade, será fácil perceber que estes U2 no cinema não são os mesmos que nos visitaram. Bono pouco interage com o público, o alinhamento das canções não é dos mais brilhantes e, claro, o concerto é mais curto do que deveria. Também o atrevimento com os efeitos 3D pouco passa para lá das imagens no concerto e das letras nos créditos como se, a medo, se estivesse a testar um público ainda pouco habituado a estas andanças.

Depois de Beowulf, estreado em 2007, e do recente Hannah Montana and the Miley Cyrus, U2 3D entra para a lista de estreias a três dimensões naquele que, aparentemente, é um boom candidato a moda.

Ficam no ar muitas dúvidas sobre se será um espectáculo musical o melhor objecto para experimentar o 3D no cinema. Com óculos, sem cantorias nem saltos, mesmo que Bono estenda a mão até nós, a experiência concerto pode sair prejudicada.

Talvez a anunciada versão 3D de O estranho mundo de Jack seja a prova definitiva de que o público português precisa para aderir ao novo e muito requisitado acessório de moda a desfilar nas próximas colecções.

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 16:14
link do post | comentar
1 comentário:
De Ricardo Fernandes a 4 de Abril de 2008 às 15:45
Concordo em absoluto contigo. Sou fã acérrimo dos U2, já pensei imenso sobre o assunto e primeiro queria ir, mas depois pensei... pera aí... sentado? Vou esperar pelo Jack... o Beowulf foi bom, o Jack será melhor!

Comentar post

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 86 seguidores

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags