Quinta-feira, 20 de Março de 2008

Elefante e compinchas

Não há dúvida de que a estreia da semana é Horton hears a who. Destaca-se a milhas dos seus companheiros. Deixo-vos um artigo ainda quentinho que fiz do sítio do costume.

Num mundo a olho nu está escondido um planeta microscópico. No meio dos macacos, da selva densa e do rei canguru há um grão com um mundo utópico. Who-ville nem sonha que anda à solta num campo de armadilhas mas tem um novo protector: o gigante e ternurento elefante Horton. Só mesmo uma história de Theodor Seuss Heigel, para os leigos Dr. Seuss, podia rimar assim.

Quando se ouve a expressão «adaptação cinematográfica de um livro de Dr. Seuss» o medo apodera-se de muitos. Não fossem os exemplos de anteriores experiências como Grinch ou Cat in the hat. A verdade é que o universo do autor é tão cheio de detalhes, rimas e maneirismos que é tarefa árdua torná-lo credível fora de um livro. A melodia saltitante de Seuss é um objecto que dificilmente pode deixar de ser só dele.

Com Horton e o mundo dos quem, o mundo de Dr. Seuss mudou de corpo. Passou a ser inteiramente em animação e, com ele, também o potencial imaginativo cresceu em igual quantidade. Adaptado que está pelos realizadores Jimmy Hayward e Steve Martino, Horton é muito mais merecedor de votos do que os seus antecessores sem, contudo, poder chamar-se de senhor perfeito.

Para os que apenas cruzaram o olhar com a figura de um elefante carinhoso e trapalhão à conversa com uma estranha e minúscula criatura, seguem as devidas explicações.

Horton (Jim Carrey) é um elefante, inevitavelmente de memória apurada, que vive numa selva (a de Nool) dominada por um canguru fêmea em vez do conservador leão. Acredita ter descoberto um mundo microscópico num dente-de-leão e quer protegê-lo dos perigos que o mundo à escala normal oferece. No outro mundo, vivem os Who (os «Quem»), seres organizados, que se reproduzem em massa - o Presidente da Câmara com voz do maravilhoso Steve Carell tem 97 filhos.

O desafio do protagonista é fazer com que os seus co-habitantes acreditem que existe um mundo na pequena planta que o elefante carrega e com quem fala. Pelo caminho atribulado, vamos sendo guiados pela voz de um narrador, sempre em rima, bem ao jeito dos escritos de Dr. Seuss.

O filme da 20th Century Fox mostra que, no que à animação diz respeito, há uma aproximação cada vez maior ao nível com que nos deslumbram a Pixar ou a Dreamworks. No decorrer da fita, encontramos cenas deliciosas como aquela em que Horton atravessa uma ponte extremamente instável enquanto, no mundo que carrega, o Presidente da Câmara de Who-Ville se aventura numa consulta no dentista. Ou mesmo aquela em que o desesperado elefante perde o dente-de-leão cor-de-rosa na imensidão de um campo de dentes-de-leão cor-de-rosa.

Não podemos deixar de referir que o defeito dos filmes de animação da 20th Century Fox perdura. Pelo caminho vamo-nos cruzando com personagens secundárias que nos prendem a atenção muito mais do que os protagonistas mas com as quais acabamos por passar muito pouco tempo.

Em a Idade do Gelo e na sua sequela o exemplo mais visível é o de Scrat (o esquilo desenfreado que não larga a bolota). Em Horton há Morton (Seth Rogen), o sidekick do elefante, há o vilão Vlad (Will Arnett), um abutre com sotaque russo, e há Jo-Jo (Jesse McCartney), o rebelde e único filho rapaz do mayor da cidade. Para além disso, a facção da pequena cidade acaba por se tornar mais interessante e fora do baralho do que as lições de moral bem intencionadas e demasiado comuns de Horton.

É o próprio elefante quem repete vezes sem conta a frase «Uma pessoa é uma pessoa, independentemente do tamanho». Estas pessoas de tamanho para ver à lupa revelam-se em Horton e o mundo dos quem bem maiores do que a maior personagem do filme (em tamanho).

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 15:22
link do post | comentar

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 86 seguidores

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags