Domingo, 16 de Março de 2008

Pushing Daisies: Amélie Poulain à americana



Não direi que ando viciada mas agrada-me ver a série de Domingo à noite na Fox Life. Chama-se Pushing Daisies - no habitual estilo de tradução português, Malmequer, bem-me-quer - e acompanha um pasteleiro com um dom muito particular. O pie maker (adoro a expressão inglesa) consegue, apenas com um toque, trazer um defunto de volta à vida. Problema: ao segundo toque do mágico, a pessoa volta a morrer. Por outro lado, se o segundo toque não acontecer, outra criatura viva morre em lugar do cadáver ressuscitado. Acontece que um dos mortos a quem o senhor das tartes devolveu a vida é Chuck, o seu amor liceal. Os dois compõem o par romântico da série. Um que não se pode tocar.

A premissa é das mais curiosas que temos visto nos últimos anos e afasta-se do formato televisivo "vou-roer-as-unhas-até-ao-próximo-episódio" a que produtos soberanos como 24 e Lost nos habituaram em tempos mais recentes.

Por outro lado, inspira-se (ou como diria alguém que eu conheço, "rouba") o universo visual/imaginário com que Jean-Pierre Jeneut deixou o mundo apaixonado pela altura de O fabuloso destino de Amélie Poulain. As cores são semelhantes, os cenários são mais cartoonescos mas fazem lembrar os antecessores, os valores como a eterna esperança no romance e a fé no lado bom das pessoas e a própria estrutura narrativa deviam agradecer à criação do francês. O criador desta versão televisiva é Bryan Fuller, um assumido trekkie"que também co-produziu e co-escreveu alguns episódios da igualmente inspirada Heroes.

Seja ou não original, a verdade é que resulta e oferece a quem vê a série um novo passo na ficção televisiva, diferente da vaga de acção/suspense (excelente, diga-se) que nos tem sido dada de bandeja.

Só tenho dúvidas se o conceito não se esgotará rapidamente. Não consigo antever caminhos alternativos para manter de pé uma história que terá sempre as mesmas questões centrais: dois protagonistas que não se podem tocar e um pasteleiro com desequilíbrios éticos. Mas, e daí, eu não sou argumentista. Continuarei a ver até me chatear. Por agora, páro aos Domingos à noite.

Se ainda não o fizeram, experimentem. Garanto-vos que a seguir vai apetecer-vos ouvir a banda sonora que Yann Tiersen fez para Amélie.

Actualização:
A esta hora (21:23h) percebo que a dita série está já a sofrer a pandemia dos episódios repetidos. Enfim...
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 16:13
link do post | comentar
1 comentário:
De Juby a 22 de Agosto de 2008 às 02:39
Oi, Inês!
Estava procurando informações sobre as similaridades entre Amelie e Pushing Daisies, quando cheguei até seu blog. Também gostei muito da série e me surpreendi na primeira vez que a vi. Acompanhava a narrativa, quando me deparei com o verde e vermelho, tão presente em Amelie, "berrando" nos cenários da série! Aí foi amor a primeira vista. Gostei da forma com que o diretor fez o visual e narrativa da série com as características da Amelie, mas sem deixar a originalidade de lado. Hoje assisti ao 2º episódio e também me preocupa como ela irá se prolongar por tanto tempo, sem que as histórias fiquem repetitivas e maçantes. Mas enquanto não canso também, vou me deliciando com as histórias e com as tortas! :)

Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags

links