Quinta-feira, 6 de Março de 2008

O melhor mesmo é ficar na sombra deste caçador

A onda de prémios passou e com ela foi a maré de grandes produtos cinematográficos. Os próximos tempos anunciam-se pobres mas cá teremos de baixar as expectativas.
Começo por destacar Na sombra do caçador. Quando digo destacar entenda-se que não significa aconselhar. Os artigos, já sabem, vêm fresquinhos da publicação no sítio do costume.

Há caçadores oficiais e caçadores oficiosos. Na Sombra do caçador oferece jornalistas que querem caçar e militares que fogem do alvo. Uma história de fraudes, perseguições e genocídios que depressa vai do drama para o gag numa Bósnia a refazer-se das ruínas.

Herói que é herói não pode ser comum. Os corajosos inesperados são os que mais cativam o público pela proximidade que têm com o comum dos mortais. «Na sombra do caçador» parte junto a um desses exemplos mas, em vez de o transformar na figura invulgar que só ganharia pontos por o ser, submete-o a um retrato tão espampanante que roça o ridículo.

Jornalista falhado caído no esquecimento depois de um triste episódio em que colapsa em directo, Simon Hunt (Richard Gere) encontra-se, cinco anos depois, em Sarajevo num entra e sai de bares e sem conseguir vender as peças miseráveis que faz. O reencontro com o antigo cameraman (o Duck de Terrence Howard), desperta-lhe a vontade de renascer das cinzas e partir para a entrevista de uma vida. À perna, os dois vão ter o repórter estagiário filho do vice-presidente da estação.

Mas, nesta viagem, a entrevista é apenas um pretexto para vingança, pagamento de dívidas e recuperação de glória antiga. O entrevistado é, por acaso, o homem mais procurado pelas autoridades mas também o responsável pela cena de histeria que o correspondente de guerra fez em frente às câmaras.

«Na sombra do caçador» é o regresso de Richard Shepard que, já em «O Matador», tinha marcado a sua linha editorial de comédia dramática (ou drama cómico) e que, torna a tentar o registo. Mas, desta vez, o resultado é ainda menos bem sucedido.

A forma encontrada para caracterizar as personagens é o recurso aos flashbacks, passagens que não ajudam a que o espectador se afeiçoe a qualquer um dos protagonistas. Imaginem-se Richard Gere e Terrence Howard numa cena de amor hippie com duas meninas bósnias, cabelos compridos e visível embriaguez. Veja-se a personagem de Gere num exibição de dramatismo muito pouco credível com vontade de se atirar a um enorme exército de malfeitores.

Para além disso, Richard Shepard parece ter ficado confuso no que diz respeito ao tom do seu filme. Será difícil à plateia perceber se está a ver uma comédia, um drama com aura documental ou uma narrativa baseada em factos verídicos. Há indícios de todos esses géneros aqui e ali mas nenhum se assume como dominante.

O mais interessante que ficará da fita será mesmo a perseguição entre mentirosos e fraudulentos, a boa exibição de Jesse Eisenberg no papel do estagiário inseguro mas surpreendentemente atiradiço e a linha pouco nítida entre os conceitos de ambição e justiça.

Para perseguições alucinantes e inesperadas, o melhor mesmo é pegar no DVD de «Ultimato» e sentar-se confortavelmente no sofá lá de casa para uma noite de cinema.

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 16:23
link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags

links