Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008

O muito falado Cloverfield: Um monstro à antiga

Claro que não podia faltar. Depois de tudo o que se disse e da simpática antestreia em ambiente bizarro, aqui ficam algumas ideias sobre Cloverfield e sobre a campanha de marketing à sua volta.

Os últimos meses foram passados a tentar perceber o que seria Cloverfield. No início não havia nome, apenas confusão. Depois foi mostrado o monstro. A cabeça da Estátua da Liberdade rolava e a handycam nervosa fazia lembrar O projecto de Blair Witch. Hoje chega finalmente às salas de cinema o filme que tanto burburinho causou. Obra artística, experiência de entretenimento ou óptima campanha de marketing, as opiniões podem divergir. A certeza é que todos já ouviram falar de Cloverfield.

O conceito é do mais simples que há: um monstro de proporções titânicas ataca Manhattan e o espectador acompanhará uma história de sobrevivência de um grupo de jovens cuja noite de festa foi interrompida pela infeliz criatura. Melhor, o espectador não acompanha. O espectador torna-se num desses jovens já que todo o filme é apresentado através da lente da câmara de um deles.

A premissa é tão linear quanto isto e vai de volta aos tempos em que um filme com um monstro deixava as mãos suadas agarradas à cadeira e em que os saltos eram involuntários.

É um blockbuster na sua mais pura condição, feito com um baixo orçamento e que prova que nem sempre é preciso gastar milhões nem investir em novidades técnicas mirabolantes para dar ao público o entretenimento pretendido. Talvez para isso tenha contribuído a inteligente campanha de marketing a que temos assistido em todo o mundo. Deixou milhares obcecados com o que seria este projecto de J.J. Abrams (criador da série Lost) e fez com que muitos seguissem as pistas e engendrassem teorias no espaço virtual. Primeiro, especulou-se sobre o nome do filme. Nos cartazes lançados apenas se via uma Estátua da Liberdade sem cabeça e a data de estreia. Depois, o termo Cloverfield começou a rodar pelas notícias de cinema e por toda a rede cinéfila na internet.

Nos últimos tempos, algumas amostras foram escapando. O primeiro clip mostrava apenas uma festa e depois o pânico. O último vídeo deixado à solta mostrava cinco minutos do filme, a cabeça da famosa estátua e uma monstro a passear-se pelos arranha-céus de Manhattan. Com pouco dinheiro, estava construído o caminho para que a ansiedade dos mais curiosos precisasse de ser satisfeita.

Em Portugal, decidiu fazer-se uma antestreia fora do circuito comum. Os convidados ocuparam uma sala no Metro do Terreiro do Paço e experimentaram Cloverfield num espaço semelhante ao de uma das cenas mais cortantes da fita. Foi uma experiência bem ao jeito americano, com filas para entrar e corridas até aos melhores lugares. Durante a exibição do filme, era fácil perceber que a envolvente da sala era um factor com impacte na reacção do público. Não houve cadeira que não estremecesse pelo menos um bocadinho.

Hoje, Cloverfield passa dos mistérios e dos espaços escuros para as salas de cinema convencionais e, se seguir a tendência dos Estados Unidos, vai ser um sucesso de bilheteira. Em terras norte-americanas, teve o melhor fim-de-semana de abertura de sempre no mês de Janeiro.

Para lá da sinopse tão badalada, é curioso atentar nos pormenores. Está lá o olhar intruso, o lado voyeurista. Não falta quem, sem se preocupar com o monstro gigante, filme o cenário com um telemóvel. Há ainda, tal como vimos recentemente em The Host- A criatura, a ideia de que o monstro terá sido criado pelo Homem. Há, finalmente, imagens que imediatamente podem ser associadas à representação de um ataque terrorista.

Por cá, quem comprar bilhete para o ver vai para algo que será decerto entendido de formas muito diferentes. Será uma obra cinematográfica a ser lembrada ou uma experiência de entretenimento na sua mais sincera condição? Talvez faça sentido perguntar se, tal como tudo o resto, também o cinema possa estar a entrar numa era mais interactiva em que o público passará a entendê-lo como uma experiência que começa bem antes do filme e não como uma simples sessão estática.

De Cloverfield, para além deste Godzilla/King Kong dos tempos modernos que atormenta uma história de amor em Nova Iorque, será lembrado o formato. No final, o público sabe que ajudou a construir o monstro e que quase foi atacado por ele.

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 11:30
link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags

links