Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2008

Cassandra's Dream: Woody Allen a experimentar o que não devia

A tradicional estreia da semana, como habitualmente, à quinta-feira. Consegui ver o novo de Woody Allen e não voltei convencida. Deixo-vos as notas de rodapé.

Chama-se O sonho de Cassandra e nele vemos Woody Allen a tentar juntar o seu «eu» humorístico ao «eu» poético-dramático que construiu em Match Point. Há crimes, sedução e falta de jeito. Há suspense, música clássica e a Londres do realizador. Mas, sem uma história que chegue para sustentar uma longa-metragem ou sem dar a conhecer à séria os personagens, não há combinação mágica que resulte. Allen experimentou mas afundou-se com o barco.

Depois do habitual tipo de letra que Woody Allen tanto usa nos créditos iniciais, dois irmãos falidos surgem junto ao barco dos seus sonhos. Espantam-se perante as seis mil libras que terão de pagar por ele mas arranjam solução. Afinal, é para isso que as apostas servem e Terry (Colin Farrell) é perito nas andanças do jogo. O barco passa a chamar-se Cassandra’s Dream, o nome do galgo vencedor da corrida que o pagou, serve de refúgio aos dois irmãos e de centro para o desenrolar do filme.

Ian (Ewan McGregor) seguiu o negócio da família (a gerência de um restaurante) mas quer aparentar ser um nobre homem de negócios. Terry é um viciado em jogo que julga resolver todos os problemas numa partida de póquer.

Quando algo de inesperado acontece- Ian apaixona-se por uma actriz ambiciosa e quer impressioná-la com carros, dinheiro e influência e Terry acumula uma enorma dívida- o desenrolar de acontecimentos leva os dois irmãos a entrar numa espiral de crime, máfia e negócios mal contados. Tudo patrocinado pelo tio que a mãe chama de «príncipe».

O cenário é uma Londres charmosa, oscilante entre os palacetes, as festas da moda e as casas suburbanas. Sempre, claro, com uma banda sonora a roçar o clássico a acompanhar a cidade (uma bela amostra do trabalho do nomeado para o Óscar, Philip Glass).

Apesar do charme, de alguns diálogos bem ao jeito de Woody Allen e de um certo encanto nos personagens, O Sonho de Cassandra tem um lado de trabalho mal resolvido. O espectador ficará decerto com a sensação de que o realizador e autor quis recuperar parte da aura que tão bem conseguiu criar em Match Point e misturá-la com o seu talento inato para a comédia. Mas em O sonho de Cassandra não há a consistência presente na narrativa de Match Point. A história não chega para sobreviver durante as quase duas horas do filme. Ou talvez chegasse se não se prendesse tanto com um único episódio.

Do lado dos personagens há potencial. Colin Farrell faz um trabalho fora do seu habitual. É simultaneamente o trágico e o cómico da fita. Há diálogos cheios dos trejeitos de Woody Allen que, tal como sempre, suscitam algumas situações humorísticas bem conseguidas.

O que poderia ser maior fica por aí. Por uma experiência que não acertou em pleno. O final apresenta-se ao público como algo perto do inacabado mas ainda assim longo. Tal como os sonhos que aquele barco representa também o filme fica perdido no meio das águas.

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 18:35
link do post | comentar

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 86 seguidores

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags