Quinta-feira, 29 de Novembro de 2007

E agora para algo completamente diferente...

...debrucemo-nos sobre Hitman.

Os videojogos e o cinema. A relação é complexa. Do jogo, onde tudo é geralmente mais cru e linear, para o cinema, onde tem de se limar a história e torná-la mais real. Hitman é mais uma adaptação do jogo que pôs tantos a matar e que tantos prémios ganhou. O problema é que este Agente 47 parece não transpor a barreira que nos faz distinguir uma personagem de um boneco comandado por botões.

O assassino não tem nome. Apenas um número para o diferenciar: 47. Ele foi escolhido para uma experiência onde crianças são treinadas para crescerem matadores, sem perguntas nem justificações. Apenas a perfeição na execução. Timothy Olyphant dá corpo ao agente saído de um franchise de sucesso no mundo dos videojogos.
Trabalha para A Agência, organismo secreto que cria estes ditos assassinos e lhes encomenda trabalhos.

Depois da sua mais recente tarefa, o agente vê-se envolvido numa tramóia política que o obriga a fugir da Interpol, dos militares russos e de todo o tipo de autoridades que têm alguma coisa a dizer. Pelo meio dos que o procuram, surge-nos um Robert Knepper (o T-Bag de Prison Break) com um sotaque russo americanizado. É que ele, o nosso assassino contratado, nunca falha e, desta feita, o seu alvo aparece misteriosamente vivo.

Sempre a acompanhar todos os seus movimentos está Mike Whittier (Dougray Scott), um polícia obcecado em prender aquele que chama de «o seu rapaz». Claro que, em filme de tiros e porrada que tem justamente essa designação, não poderia faltar uma dama a precisar de ajuda. Ela é Nika (Olga Kurylenko), uma prostituta usada pelos senhores da política que vai amaciar a dureza de 47.

Hitman falha no aspecto que é simultaneamente o seu único forte. Transmite um verdadeiro aspecto de videojogo, com passagens em que o espectador poderá pontualmente achar que, se sacar de um comando, poderá controlar o protagonista. Visualmente, o aspecto resulta a seu favor. No entanto, esse método em piloto automático gera, consequentemente, uma enorme desatenção e pouca profundidade do lado dos personagens.

Hitman é, assim, uma fiel colagem ao mundo virtual que não dá o salto necessário para ser mais do que isso. Como filme é uma sequência de acção ininterrupta com aspectos psicológicos abordados pela rama e que não responde à pergunta que todos queriam esclarecer: Quem é o agente com um número em vez de um nome?

publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 19:56
link do post | comentar
1 comentário:
De Dreamweaver a 30 de Novembro de 2007 às 21:13
S souberes quem ele é perde a piada. :D

Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags

links