Domingo, 25 de Novembro de 2007

Máfia americana à la Ridley Scott



Nunca fui grande adepta de Denzel Washington. Porque o acho eficaz num determinado registo de onde raramente consegue sair. Também nunca fui particular fã de Russel Crowe. Porque consegue encaixar nos papéis competentemente mas parece não conseguir convencer. Sempre me pareceu ficar racionalmente preso ao boneco que sabe que tem de fazer e, talvez por isso, quase nunca me pareça credível a entrega ao personagem. Mas isto não invalida o facto de achar que são dois consistentes profissionais, competentes e que acabam por ver (justamente) recompensada a sua solidez. Quanto a Ridley Scott, custou-me vê-lo perder-se nos últimos Kingdom of Heaven e A Good Year mas a memória que tenho dos tempos de Alien, Blade Runner ou Gladiador consegue sempre prevalecer.

Serve este prólogo de aquecimento para as ideias com que fiquei de American Gangster.

Ora acontece que, desta vez, Denzel Washington conseguiu encher-me as medidas. Gosto de personagens cruas, que não avisam «agora-é-que-te-vou-enfiar-uma-bala-na-testa» e também me agrada que pareçam sempre ter feito aquilo na vida. Ao contrário de algumas opiniões que já ouvi por aí, este Frank Lucas, mafioso negro que revolucionou as ruas do Harlem, nas mãos de Denzel não me parece nada forçado.

American Gangster acompanha a história deste discípulo tornado barão da droga numa cidade onde, de acordo com o retrato, a maior parte das autoridades é corrupta e onde a heroína ainda ameaça ser uma moda sem consequências. É também uma imagem histórica de um país enfraquecido e envergonhado pelo conflito no Vietname que não consegue acordar depois do regresso.

E isto de que vos falei é o que me parece mais aliciante em American Gangster: a personagem de Denzel Washington e a reconstituição histórica com direito à habitual banda sonora cool.

Depois, há Russe Crowe, num personagem desinteressante em jeito «polícia-bonzinho-e-sempre-honesto-mas-cheio-de-conflitos-pessoais-analisados-só-porque-sim». Depois há a típica história do dono da máfia que cresceu a pulso e que todos passam a temer (nada de novo). Depois há o fim demasiado esticado que terminaria melhor se não tivesse um incrível necessidade de encerramento conclusivo.

É, sem dúvida, um Ridley Scott em época de reaquecimento mas que ainda não chega para encher as medidas a quem é fã do que de melhor ele já fez.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 10:27
link do post | comentar
2 comentários:
De Knoxville a 25 de Novembro de 2007 às 13:04
O Denzel para mim sempre foi um dos melhores. Mesmo que qualquer filme de não me encha as medidas, Denzel é sempre soberbo. Já Russel Crowe só fui à bola com ele no Gladiador, de resto nunca me captivou, mesmo em bons filmes como o Informador ou o galardoado Uma Mente Brilhante.

O American Gangster está marcado para esta semana, sem falta ;)

Beijinhos Inês!
De Quanto Mais Quente Melhor a 25 de Novembro de 2007 às 13:22
E eu tenho o Hot Fuzz marcado para esta semana. Falhei a antecipação.
Obrigada pela visita. Beijinhos, Knox!

Comentar post

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 86 seguidores

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags