Quinta-feira, 16 de Agosto de 2007

A última legião: para ficar no sossego do lar longe desta tentativa de épico

Quanto a este, não há qualquer suspense para criar. Redondamente, francamente e epicamente fraco. Mais umas linhas publicadas ontem:

É oficial: os épicos deixaram de estar em voga. Já há algum tempo que essa realidade era perceptível mas, com experiências como esta, a tendência não podia ser outra. A última legião é uma tentativa de cruzamento entre épicos que, em última análise, acaba apenas por ser uma ofensa às figuras históricas que envolve e aos bons actores que, sem como nem porquê, aceitaram participar nela. Por esta altura, o rei Artur dá voltas no túmulo e os exércitos romanos remexem a terra onde estão com esperança de poderem voltar à vida para limpar o seu nome.

Vamos tentar descrever A última legião através de associações sem com isso pretender ofender os objectos de comparação que nenhuma relação têm com este filme. Se cruzarmos Rei Artur com O Senhor dos Anéis e colocarmos uma pitadinha de O Gladiador chegamos ao que parece ter sido a intenção. Se juntássemos mais umas lutas ao Código Da Vinci (versão cinematográfica) obteríamos o que mais se assemelha a este produto final. Sintetizemos a história. O império romano está à beira do colapso. O imperador Rómulo Augusto é uma criança com cerca de um metro e meio (Thomas Sangster) e os seus defensores são um soldado romântico (Colin Firth nunca poderia deixar de ser romântico) e um filósofo/lutador/feiticeiro (interpretado por um Ben Kingsley em maré de más escolhas). Juntos e com a ajuda de uma guerreira indiana (Aishwarya Rai) que não faz mais do que ser a babe do filme, vão em busca de uma espada milenar (o que fizeram à lenda da Excalibur!) e do último reduto do exército romano na longínqua Britânia, ou a versão clássica do Reino Unido. O argumento é tão desinspirado quanto malicioso já que, claramente, não tem outro objectivo senão obter receitas de bilheteira. Os cenários são pobres e os diálogos ainda mais. A realização é apressada e pouco cuidada e o guarda-roupa traz à memória as lojas de Carnaval no Chiado lá pelo mês de Fevereiro. A última legião é um filme de tareia sem fundo de interesse, com passagens sentimentais mal sentidas e sem perícia histórica nem valor dramático. O que poderá deixar o espectador, e os falecidos citados, ainda mais desiludidos é o facto de não ser claro o porquê de nomes como os do marco cinematográfico Ben Kingsley, do ícone romântico Colin Firth e até do pequeno Sangster que vimos nascer em O amor acontece fazem junto a uma fita tão desprovida de alma quanto esta.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 18:33
link do post | comentar
3 comentários:
De G a 23 de Agosto de 2007 às 12:24
Pensava ir ver.
Acho que já não vou! :-/
Abraço!
De Mauro Fonseca a 16 de Agosto de 2007 às 20:45
Nunca me despertou interesse... Se tiver a oportunidade de o ver em casa, muito bem. Se não, tb n perco grande espingarda.

Cumprimentos
De Sarah a 4 de Março de 2009 às 15:16
Ai eoo gostei do filme !
Naum e otimo mais naum tem nds pra fazer ver o filme ocupa seu tempo!

:*

Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags

links