Quinta-feira, 16 de Agosto de 2007

Ratatui: Para correr até ao cinema e voltar aos clássicos da Disney

Aqui yours truly anda a querer criar suspense desde que viu Ratatui. Chegou a hora de abrir o jogo. Espreitem o que escrevi para o sítio do costume.

O Chef Auguste Gusteau, supra-sumo falecido da cozinha gourmet, insiste na máxima: “Qualquer um pode cozinhar!”. O que ninguém esperava era que esse qualquer um pudesse ser uma ratazana de olfacto apurado e sensibilidade culinária ultra-requintada. Remy não é apenas mais um rato para juntar à longa lista de roedores animados. O novo da Pixar tem uma aura de clássico da Disney na qual já tínhamos perdido a esperança. Preparem-se para voltar à infância e mentalizem-se para os sabores. É que depois de Ratatui o melhor remédio é mesmo apanhar um avião para Paris e parar num bom restaurante para matar a fome.
A Pixar, estúdio de animação que se fundiu com a Disney e trouxe até nós, entre outros, À procura de Nemo, Toy Story e The Incredibles, tem sido, sem dúvida, a portadora das melhores ideias, a exemplificadora da melhor técnica e a empresa cujos membros parecem criar como se precisassem disso para respirar. Basta vê-los a falar que nem crianças junto a um chupa sempre de camisa havaiana e sorriso permanente. Com Ratatui regressa o perfeccionismo redobrado e as ideias brilhantes ãtiradas para cima de uma mesa de café. Mas há algo mais. Há algo que, pela altura dos créditos finais, deixa o espectador com a sensação de que está perante um filme de animação diferente. Este parece inaugurar uma nova era. Uma era que com pormenores colocou o que faltava na animação 3D: uma alma de clássico. Antes do veredicto vamos a uma espreitadela na história. Remy é uma ratazana campestre (o título é pouco amistoso mas o aspecto é ternurento) com um dom especial e um capricho inveterado. Tem o olfacto mais apurado da comunidade e cozinha como o chef do mais alto gabarito. As suas combinações são as mais apuradas e os seus tempos de cozedura são os mais correctos. Debrucemo-nos sobre o grande problema de Remy: é uma ratazana. Ora, qualquer estabelecimento que se preze, não permite a entrada de tais criaturas. A família desaprova a sua vocação, o irmão envergonha-o comendo lixo mas há uma espécie de anjo da guarda culinário que o acompanha nas incursões pela sua consciência. Ele é Auguste Gusteau (na versão original, a mais fantástica interpretação da fita é a do actor Brad Garrett): chef extraordinaire que educa cozinheiros a título póstumo através do seu livro “Qualquer um pode cozinhar”. Remy, seu seguidor devoto vê-se, de repente em Paris, junto ao restaurante do falecido e arranja forma de se tornar parte do staff de cozinheiros e restaurar o bom nome que um dia aquela cozinha gourmet teve.
Pelo meio, alguns deliciosos cozinheiros caricaturados com o acentuado sotaque francês, um crítico culinário snobe que pode bem personificar muitas outras profissões e um chef desajeitado e manipulado. Mas, afinal, o que tem Ratatui de tão extraordinário? Absolutamente tudo. Desde o mais simples argumento que dá origem à história mais bem conseguida dos últimos sucessos de animação, passando pela deliciosa (adjectivo adequado este) banda sonora que quase nos faz imaginar o francês de boina preta e camisola às riscas e terminando no mais importante: o sentimento de que estamos perante algo rejuvenescedor. É que o que sentimos quando terminamos Ratatui, para além do apetite incontrolável, é aquele carinho único pelas histórias mais minimalistas que conseguem convencer num grau muito maior do que as narrativas mais mirabolantes. É difícil pensar que nos podemos identificar com ratos mas a verdade é que é inevitável gerar-se uma relação de familiaridade como aquelas que nos lembrávamos de ter quando éramos pequenos e assistíamos em família aos portentos da Disney. Ratatui é, acima de tudo, despretensioso e despreocupado, fruto do gozo que os seus criadores tiveram em fazê-lo e isso é notório neste prato principal que é decerto um sério candidato à próxima entrega do Óscar para melhor filme de animação. Mesmo que tal não aconteça, este filme sobre um roedor talentoso será, pelo menos, a mais conseguida fita animada do Verão (não colocando Simpsons: O filme no mesmo campeonato) que, mesmo sem poder transmitir os aromas dos cozinhados vai decerto abrir os apetites mais cépticos.
publicado por Quanto Mais Quente Melhor às 18:30
link do post | comentar

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 86 seguidores

pesquisar

subscrever feeds

posts recentes

Em coma...como a Noiva de...

Estrelas de cinema na pub...

Ensaios de luxo

Uma visita com Walt

Desculpas e mais desculpa...

O Sítio das Coisas Selvag...

Trailer de The Lovely Bon...

Ela quase emigrou mas est...

arquivos

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

tags

todas as tags